close button

publicidade
Case Comigo

Case Comigo

Se uma coisa que está marcada no DNA do brasileiro, além da hospitalidade, o fervor latino, e uma incrível criatividade para gerar memes, é que passamos por ótimos momentos na televisão brasileira. Uma delas, que ficou tão marcado, que virou sinônimo para categorizar filmes C, comédias românticas, ou que você acaba nem sabendo da existência: Filmes Sessão da Tarde. Temos algumas pérolas como A Lagoa Azul – sinônimo de roubo nos jogos de STOP dos adolescentes da década de 1990 e 2000 (desculpa geração Z, isso é muito gringe mesmo) – quase toda a filmografia de comédias românticas da Katherine Heigl. Um desde você provavelmente deve já ter visto, Encontro de Amor, ou Maid in Manhattan, protagonizado por JLo onde a mesma vive um clássico conto de fadas no início do século XX. E mais uma vez, JLo resgata essa fórmula despretensiosa em Case Comigo, novo romance – com pitadas de comédia – que tem o DNA da Sessão da Tarde.

JLo vive a cantora famosa Kat Valdez, que continua nas paradas como uma artista feminina acima dos 35 anos – eles mencionam exatamente isso – que ainda é relevante no meio, mesmo não tendo sido indicada a nenhuma premiação importante. Em sua vida pessoal, ela teve vários relacionamentos que não deram certo, e o mais recente está ganhando espaço como o evento do ano, quando ela decide se casar durante um show com seu noivo, Bastian (Maluma). Mas segundos antes de subir ao palco vestida de noiva, ela descobre uma traição de seu amado, e decide aceitar se casar com Charlie (Owen Wilson), que estava no show acompanhando a amiga e sua filha, apenas por ele estar segurando um cartaz de Marry Me? A partir daí, eles decidem seguir com o arranjo para não queimar a imagem da artista.

Esse filme, como qualquer filme Sessão da Tarde, é previsível. O casal se conhece de forma não convencional, acabam entrando num acordo para manter as aparências, mas ao longo da trajetória eles começam a nutrir um sentimento verdadeiro entre eles. Indo para o final do segundo ato eles acabam se separando, ou porque um decidiu voltar com o relacionamento anterior, ou porque eles percebem que são extremos opostos, mas tudo acaba bem num grande gesto de se encontraram na pista de embarque durante uma chuva, impedindo que o outro toma um caminho sem volta.

É previsível, e essa sensação não é necessariamente ruim, uma vez que o filme é despretensioso. Ele não quer ser aquele filme que vai mudar o pensamento dos seus telespectadores, ele não vai criar discussões elaboradas em rodas de amigos. É um filme para curtir a vibe, sem se ligar a detalhes ou esperando uma grande mensagem embutida dentro do roteiro. E ele se vende assim.

Mas sendo um pouco hipócrita, a produção pode ser vista com duas mensagens bem interessantes. A primeira, que permeia a história do começo ao fim, é para mostrar relacionamentos que começam de forma não convencional. Tudo bem que em Hollywood temos isso de sobra; já a segunda mensagem, que fica escondida dentro da própria narrativa, e que é mencionada apenas uma vez, vem com o fato da personagem principal ser uma mulher dentro de uma indústria que não valoriza seu trabalho, e que se mantem relevante, sempre sendo a primeira em vendas de singles e álbuns, e por ser uma mulher acima dos 35 anos.

O longa conta com várias musicas inéditas, mas a principal, que dá nome a produção aparece apenas mais para o final do longa, e durante todo o tempo, apenas ouvimos o refrão. Devo pontuar aqui o quão impressionado – mais uma vez – eu fiquei ao ver dona J-Lo arrebentando nas coreografias, e dando inveja para muitas novinhas que não aguentam fazer o que ela faz. Mesmo sabendo que esse é um filme, tem edição, mas você vê que é a própria dançando e fazendo seu lipsync, além de estar super em forma.

Case Comigo não vai te surpreender com viradas de roteiro, ou com atuações dignas de premiações, ou fará você pensar por horas sobre o que o diretor queria passar com aquela tomada. É aquele filme para assistir no conforto da sua casa, coberto, com um chocolate quente, com seu companheiro ou companheira ou companheire, e curtir sem se preocupar com detalhamentos e profundidade, pois é feito para se divertir e relaxar.

Postagens Relacionadas