close button

publicidade
Animais Fantásticos

Animais Fantásticos 3 e sua falta de presença

Este artigo foi escrito por Jhonathan Cardoso

Finalmente a tão esperada continuação de Animais Fantásticos chegou em terras Tupiniquins; desde de que foi anunciado que a franquia contaria com 5 filmes ao total, todos os fãs, a maioria da época dos filmes de Harry Potter, estavam ansiosos pela chegada do terceiro filme devido a um fato específico… o filme conta com a inserção do Brasil no enredo.

Animais Fantásticos 3 conta sua história seguinte os eventos do segundo filme; com a direção de David Yates, conhecido por dirigir os 4 últimos filmes da franquia de Harry Potter (“Harry Potter e a Ordem da Fênix”, “Harry Potter e o Enigma do Príncipe” e “Harry Potter e as Relíquias da Morte Parte 1 e Parte 2”), além de ter dirigido também o live-action de Tarzan em 2018, apresenta como trama principal os segredos da relação conflituosa de Alvo Dumbledore e Gellert Grindelwald.

Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore, traz de volta o mesmo elenco dos dois filmes passados, como Eddie Redmayne como Newt Scamander, Jude Law como Alvo Dumbledore e Dan Fogler como o não-maj Jacob Kowalski, mas apresenta o acréscimo de dois novos nomes ao elenco, sendo Mads Mikkelsen no papel de Grindelwald, substituindo Johnny Depp e Maria Fernanda Cândido no papel de Vicência Santos.

O filme em si apresenta uma duração longa, exatas 2 horas e 23 minutos; com tanto tempo assim percebe-se fácil suas diferenças em relação aos filmes passados; em primeiro lugar, a atmosfera sobre os eventos que se passam, Yates tenta manter o clima tenso que o filme antecessor tinha, mesmo apresentando algumas cenas cômicas, ainda é possível sentir a seriedade e tensão que o diretor quis trazer em tela. Em segundo lugar, seu dinamismo parece ter sido muito corrido, o longa metragem demonstra querer apresentar muitas informações ao mesmo tempo, logo em algumas partes pode-se perceber uma certa falta de detalhamento da cena, como a falta de fala de determinados personagens, ou até mesmo a ação da cena ser rápida demais e com pouca importância; além de conter também cenas desnecessárias para o enredo da trama, deixando a famosa sensação de “encher linguiça”.

Com tudo isso tanto David Yates, quanto os roteiristas J.K. Rowling (criadora das franquias “Harry Potter” e “Animais Fantásticos”) e Steve Kloves (Roteirista dos filmes de “Harry Potter”) parecem ter esquecido de trabalhar o desenvolvimento pessoal dos personagens principais, ao decorrer de todas as cenas não é visto grandes momentos de crescimento interpessoal ou momentos de mudança psicológica dos personagens, algo bem diferente do que foi visto no segundo filme, que com uma trama mais séria e sombria, conseguiu entregar um bom desenvolvimento dos personagens e um roteiro bem estruturado, o que parece faltar no atual filme.

Mudanças de Elenco e o Brasil em Animais Fantásticos

Animais Fantásticos
MADS MIKKELSEN como Gellert Grindelwald em Animais Fantásticos e os Segredos de Dumbledore

Já que entramos no assunto dos personagens, vamos falar um pouco sobre os novos atores que chegaram na franquia e suas atuações. O recém chegado Mads Mikkelsen entrou no longa para ocupar o lugar de Johnny Deep, depois de sua saída devido as acusações de agressões contra sua esposa, notícia que não agradou muito aos fãs que foram contra a sua permanência na produção; Mads no papel de Grindelwald entrega um personagem levemente diferente do de Deep, o contraste gritante é que com Johnny o personagem tinha um tom mais teatral, artístico, debochado e sombrio, já com Mikkelsen o personagem apresenta características mais sérias e centradas, ambas versões dos personagens se convergem na questão de serem misteriosos e manipuladores. Confesso que ainda preciso de um tempo para me acostumar com o novo ator, mas acredito que o personagem está em boas mãos e que apesar de ser uma atuação diferente, Mads consegue entregar uma boa representação do que Grindelwald já foi no primeiro filme, agora de uma forma “repaginada” e mais “real ou comum”.

Outra grande mudança no elenco foi a inserção e primeira estreia internacional da atriz brasileira Maria Fernanda Cândido, conhecida por seus papéis nas novelas “Lado a lado” (2012 – 2013), ” Paraíso Tropical” (2007) e “A força do querer” (2017); protagonizando o papel de Vicência Santos, personagem brasileira candidata ao cargo de Chefe Supremo da Confederação Internacional dos Bruxos, Maria consegue representar o Brasil com maestria só por aparecer em tela em um filme de tamanho porte e reconhecimento, minhas criticas são apenas em relação a seu tempo de tela ser curto, entendo ser uma personagem iniciante e secundária, mas acredito que ela poderia ter tido mais falas e mais tempo de tela, ao resto, Maria entrega uma boa atuação e nos deixa com aquele calor no coração de ser representados, até nos causa um orgulho de ser brasileiro, coisa que não sentimos há um bom tempo, e deixa também aquele gostinho de “quero mais” e a esperança de revê-la nos próximos filme da saga.

Quanto a ficha técnica, o filme contém uma boa edição de áudio, mesmo eu achando o som dos efeitos especiais um pouco exagerados, até estridentes eu diria; a trilha sonora está boa também, apresenta conexão com o enredo central de cada ato e consegue criar uma relação de nostalgia com o espectador, ou seja, fãs de Harry Potter não ficaram desapontados com a trilha sonora. Sobre ambientação de cenários e edição de imagens e efeitos especiais, o filme consegue trazer ambientes bem modelados e fieis à caracterização do espaço em que se passam, mesmo em cenas que foram gravadas em um estúdio fechado com uma tela verde ao fundo; os gráficos são bem produzidos e não deixam a desejar, nas cenas de ação e luta, mostram que a equipe gráfica e de design realmente não está aqui para brincar!

Em relação aos figurinos, todos se encaixam bem com seus respectivos personagens, é notável a predominância de determinadas paletas de cores para cada indivíduo, como amarelo para Vicência Santos, personagem de Maria Fernanda Cândido e azul para Alvo Dumbledore, personagem de Jude Law.

Minhas considerações finais sobre o filme são que ele vale à pena ser visto, na minha opinião esperava mais, devido ao “hype” que ele estava tendo nas redes sociais, acredito que boa parte do roteiro foi mais “Fan service” do que realmente uma história bem desenvolvida, senti falta da aparição de mais animais fantásticos, já que é o próprio nome da saga, mas contou com baixa aparições de criaturas, tendo sido mais focado em uma específica; como disse antes no início do texto, senti falta também de um desenvolvimento pessoal dos personagens e por fim acredito que algumas coisas não tinham necessidade de aparição durante o filme; ao todo o filme é bom, mas não é ótimo em comparação aos outros da franquia, ele não entregou tudo o que propôs, mas consegue cativar o espectador pela trama central, apresenta um Plot twist que poderia ter sido melhor desenvolvido, com mais tempo para ser absorvido e com mais foco, talvez se tivesse sido deixado para o próximo filme, fizesse mais sentido. Por mim o filme está aprovado com algumas ressalvas, mas ainda sim é um bom filme, mediano para o que se propõe, mas bem desenvolvido. Animais Fantásticos 3: Os segredos de Dumbledore, está com estreia prevista para o dia 14/04 de 2022 em todo território nacional.

ANIMAIS FANTÁSTICOS E OS SEGREDOS DE DUMBLEDORE

3 5 0 1
Prestes a definição do próximo chefe dos bruxos, Dumbledore reuni Newt e seus amigos para proteger a cerimônia contra os planos de Grindelwald que planeja ser eleito o próximo chefe político do mundo bruxo, enuanto lida com seus segredos do passado.
Prestes a definição do próximo chefe dos bruxos, Dumbledore reuni Newt e seus amigos para proteger a cerimônia contra os planos de Grindelwald que planeja ser eleito o próximo chefe político do mundo bruxo, enuanto lida com seus segredos do passado.
3/5
Total Score
Postagens Relacionadas